As tecnologias vestíveis estão nos tornando mais saudáveis?

Sua tecnologia vestível está tornando você mais saudável?
Fonte: Pixabay

As tecnologias vestíveis estão mais populares do que nunca, então smartwatches, monitores de exercício e outros dispositivos que são usados no corpo têm feito um enorme sucesso no mundo todo. De acordo com estatísticas recentes divulgadas, um total impressionante de 17 milhões de vestíveis foram vendidos nos Estados Unidos. Isso significa que cerca de uma em cada seis pessoas tem um dispositivo de algum tipo.

Essa é a uma ótima notícia por diversas razões, pois comprova que as pessoas estão mais conscientes do que nunca de sua própria saúde. Então, isso significa que os americanos estão mais saudáveis? Infelizmente, as mesmas estatísticas mostram que, embora mais e mais pessoas estejam comprando tecnologia vestível com foco na saúde, essas mesmas pessoas estão abandonando os dispositivos logo depois de comprá-los. Por quê?

Deixam muito a desejar

Uma pesquisa feita pela Endeavour Partners, uma empresa com sede em Massachusetts, estudou os hábitos dos usuários de tecnologias vestíveis. Os resultados foram interessantes, para dizer o mínimo. Ocorre que pelo menos um terço de todos eles desistiram de usar seus rastreadores de exercício mais de seis meses depois de adquiri-los. Isso sugere que eles estão simplesmente perdendo o interesse, cansando-se dos objetos ou não estão mais focados na própria saúde. Mas há muito mais nessas estatísticas do que conseguimos perceber.

Deve-se observar primeiro que a pesquisa evitou produtos considerados essenciais, como aparelhos auditivos e monitores cardíacos para pessoas que realmente precisavam deles. Em vez disso, ela se concentrou em itens opcionais, que um usuário havia comprado para fins próprios.

As razões principais pelas quais esses usuários abandonaram os dispositivos dizem respeito à precisão ou ao fato de serem inconvenientes. Mais especificamente, muitos perceberam que o dispositivo não só falhou na contagem de passos, como também precisava ser recarregado muito mais vezes do que era aceitável. No entanto, muitos desses que abandonaram seus vestíveis acabaram comprando uma versão melhor e mais nova.

Opções melhores, mais interesse

Mas a tecnologia vestível já avançou muito desde que foi originalmente apresentada, há cerca de uma década. Desde os primeiros anos dos smartwatches, muita coisa mudou, o que aumentou o interesse dos compradores. A maioria dos dispositivos hoje em dia têm embutidos sistema de GPS, monitores cardíacos e muito mais, o que melhora drasticamente a experiência do usuário. Muitos dos produtos disponíveis no mercado, por exemplo, agora oferecem a opção de compartilhar resultados nas redes sociais, fazendo com que as pessoas tenham muito mais vontade de alcançar seus objetivos.

Alguns modelos de smartwatches mais recentes vão além da parte fitness, podendo ser usados para jogar em sites como Jackpot City Casino Online, navegar na internet, enviar mensagens de texto e muito mais. Essas melhorias são uma das razões pelas quais está havendo uma adesão mais ampla e o engajamento dos usuários tem aumentando de forma contínua. Além disso, como a tecnologia ainda está passando por constantes aprimoramentos, estipula-se que esses índices aumentarão ainda mais.

De olho em uma evolução futura

Não é preciso dizer que a tecnologia vestível continua a evoluir, ingressando em departamentos cada vez mais interessantes e intrigantes. Já estão sendo demonstradas tecnologias experimentais embutida em roupas, que melhoram o conforto e a conveniência dos usuários. Além disso, rastreadores embutidos em tênis de corrida estão em ascensão, dando amostras de como será o futuro.

Roupas com o chamado “tecido inteligente” também são sugeridas; elas permitiriam um estudo de exercícios mais detalhado do que nunca. Parece natural que esses itens apareçam em um futuro próximo, oferecendo uma experiência pessoal e precisa do exercício nunca vista antes. Se isso nos torna mais saudáveis, no entanto, é algo que ainda está em discussão, e só o tempo dirá se os vestíveis que medem o sucesso são suficientes para nos tirar do sofá.

Referências: