O Autismo Pode Tornar as Pessoas Melhores no Pôquer e no Blackjack?

O autismo é um transtorno muito complexo, com novas pesquisas proporcionando uma maior compreensão sobre o tema constantemente. Há casos em que a pessoa apresenta as chamadas “ilhas de habilidades especiais”, como a habilidade de realizar equações complexas rapidamente ou saber exatamente quantos itens há em uma vitrine imensa assim que bate o olho, mas também há muitas pessoas que não exibem nenhum desses dons.

Graças a Rain Man e diversos outros filmes, livros e séries de TV populares, a maioria das pessoas que ainda não lidou com o autismo, seja pessoal ou profissionalmente, acredita que pessoas autistas possuem habilidades numéricas muito avançadas. E essa aptidão, por sua vez, faz com que eles sejam considerados excelentes jogadores de Blackjack and Pôquer.

A maioria dos especialistas, contudo, crê que não necessariamente os indivíduos com autismo possuem melhor desempenho nesses jogos, seja jogando em um cassino físico ou em um cassino on-line. Então, qual é a verdade?

Um Transtorno Complexo e Multifacetado

As pessoas que trabalham no campo do autismo costumam dizer: Se você conheceu uma pessoa com autismo… conheceu apenas uma pessoa com autismo. Há diversos fatores, de todos os tipos, que influenciam no transtorno, e nenhum caso de autismo é igual ao outro. Muitas pessoas levam vidas plenamente funcionais e aparentemente normais. Outros indivíduos precisam viver institucionalizados. E alguns sequer conseguem se comunicar verbalmente.

Não se sabe muita coisa sobre os aspectos físicos do autismo, mas imunodeficiências e problemas gastrointestinais fazem com que indivíduos com autismo fiquem doentes com frequência. Os pais relatam, episodicamente, que quando seus filhos autistas estão bem de saúde, o comportamento deles melhora bastante. Além disso, quando as crianças estão constantemente doentes, acabam não aprendendo as habilidades sociais, emocionais e mentais que deveriam aprender, no ritmo em que deveriam. Isso pode agravar quaisquer problemas de desenvolvimento preexistentes.

As características incontroversas do autismo são uma preferência por e foco em rotinas e padrões, interesse obsessivo por assuntos específicos, deficiências sociais, comportamentos repetitivos e dificuldade na fala. Algumas dessas características seriam úteis em um jogo de cartas, enquanto outras obviamente não seriam. O pôquer depende muito da leitura do comportamento e reações físicas das outras pessoas, por exemplo, e indivíduos com autismo têm muita dificuldade em fazer isso. No fim das contas, tudo se resume a quão desenvolvidos são os pontos fortes do indivíduo e quão bem eles aprenderam a lidar com seus pontos fracos.

O Cérebro de Todos é Maleável

Uma pesquisa fascinante realizada pelo professor Stanislas Dehaene e outros neurocientistas sugere que qualquer pessoa pode apresentar um desempenho quase genial na memorização de números ou até mesmo na execução de cálculos. A questão é dedicar tempo e energia suficientes nessa empreitada, para desenvolver quaisquer estruturas cerebrais que precisem ser desenvolvidas. Como um autista possui uma tendência natural para se concentrar única e exclusivamente em tópicos muito específicos, esse esforço lhe é muito mais fácil do que para pessoas “normais”, que precisam conciliar trabalho, filhos, uma vida social e quaisquer outros interesses que possuam. Para essas pessoas, é mais difícil. Contudo, o ponto essencial é que isso não é impossível.

As estruturas responsáveis pelo número incrível de habilidades de cálculo que são mais rápidas do que a média realizada pelo cérebro humano não foram ainda perfeitamente compreendidas, mas a área com a maior probabilidade de ser responsável por isso é uma região do cérebro chamada de circuito cerebral da ação. Ele é responsável pelas ações físicas e cálculos, como mover-se automaticamente para apanhar uma bola: ações que acontecem muito rapidamente, de maneira inconsciente. Com bastante prática, essa área passa a realizar cálculos matemáticos tão rapidamente que os indivíduos sequer têm ciência do que estão fazendo. Há ao menos uma pesquisa cujo resultado sugere que os padrões cerebrais únicos de indivíduos autistas faz com que eles sejam melhores no processo matemático do que pessoas sem autismo.

Isso está em sintonia com o conceito do circuito cerebral da ação, mas essa teoria vai além e afirma que se as pessoas sem autismo dedicassem tanto tempo às habilidades matemáticas quanto as pessoas com autismo, seus cérebros poderiam ser “padronizados” de um modo similar. Você poderia desenvolver o mesmo talento – e talvez até ter o mesmo sucesso no Blackjack e Pôquer – caso tivesse a determinação ferrenha e o interesse para fazê-lo. Mas, nesse caso, será que os jogos e o restante da sua vida seriam tão divertidos?

Fontes:

https://www.casino.org/blog/the-truth-about-playing-poker-and-blackjack-with-autism/

http://www.fullcontactpoker.com/poker-journal.php?subaction=showfull&id=1193229609&archive

https://www.anteupforautism.org/poker.html

https://www.psychologytoday.com/blog/the-superhuman-mind/201304/i-can-easily-beat-blackjack