Entenda porque as mulheres adoram consumir conteúdos sobre crimes

mulher com mão no rosto em ambiente escuro
Fonte: Pexels

De acordo com um estudo publicado em 2010 pela revista científica Social Psychological and Personality Science, as mulheres gostam mais dos programas de televisão e livros com temática criminal do que os homens. Essa descoberta é surpreendente para muitas pessoas, pois atualmente existem diversos programas dedicados as mulheres, além de filmes, séries e jogos de cassino online, e ainda assim, uma grande parcela prefere assistir e ler a esse tipo de conteúdo.

Segundo os especialistas envolvidos nesse estudo, são várias as razões que atraem o público feminino para esse gênero de programa, algumas de natureza psicológica, e outras de caráter social.

Livros e programas criminais ajudam as mulheres a se sentirem mais seguras

A principal motivação das mulheres que leem livros e assistem programas que relatam casos de abuso, estupro e outros crimes similares é o fato delas se sentirem mais instruídas sobre como agir em uma situação como essa. Ao longo desse estudo, os pesquisadores constataram que as mulheres tentam identificar possíveis sinais de violência nos homens ao consumirem conteúdo criminal, além de identificarem quais são as melhores formas de escapar de um caso parecido.

Isso é perfeitamente compreensível ao observar as estatísticas de violência sexual mundo afora. Nos Estados Unidos, por exemplo, uma em cada seis mulheres já foram vítimas de estupro ou sofreram uma tentativa. Além disso, cerca de 70% das vítimas de assassinos em série no país, entre os anos de 1985 e 2010, eram mulheres. Esses números explicam o porquê das mulheres se sentirem no dever de estarem prontas e conhecerem o mínimo sobre o assunto, mesmo que essa percepção aconteça de forma inconsciente.

As mulheres possuem um grau de empatia mais elevado com as vítimas

faixa alertando sobre a cena de um crime
Fonte: Pexels

As vítimas de abusos e crimes sexuais são, em grande parte dos casos, escolhidas de forma aleatória, o que faz com que as mulheres se sintam mais próximas das vítimas e tenham a sensação de que essa fatalidade pode acontecer com qualquer pessoa. Para o médico Howard Forman, que atua como psiquiatra forense do Montefiore Medical Center, não restam dúvidas de que as mulheres possuem uma empatia maior com vítimas de crimes violentos do que os homens.

Segundo Howard, essa diferença se desenvolve na fase adulta, que é quando as mulheres começam a ter mais empatia, de forma geral, do que os homens. Esse fator também pode influenciar no interesse feminino por livros e programas criminais pois, a partir do momento que existe um grau de empatia maior com os personagens, o conteúdo da obra se torna mais envolvente e estimulante.

Muitas mulheres fazem isso como uma forma de enfrentar os seus medos

Uma parcela significativa das mulheres consomem conteúdo criminal para lidar com os seus medos e inseguranças. De acordo com os pesquisadores, elas leem livros e assistem programas com essa temática para depois sentir uma espécie de satisfação pessoal por ter “sobrevivido” as situações de risco apresentadas nessas obras.

Contudo, já existem estudos que comprovam que essa motivação pode causar efeitos adversos. Para algumas mulheres, assistir e ler sobre essa tema serve somente para aumentar ainda mais o medo e o pânico de se tornar uma vítima como as dos livros e programas de televisão.